10 dicas infalíveis sobre a troca de óleo do seu carro

Troca de óleo inadequada pode gerar prejuízos; veja dicas e curiosidades | Foto: Reprodução
Troca de óleo inadequada pode gerar prejuízos; veja dicas e curiosidades | Foto: Reprodução

Troca de óleo do carro é um procedimento que faz parte da vida de muita gente. Ainda mais em Goiânia, considerada uma das capitais com maior percentual de carros por habitante.

Em 2016, eram 2,25 habitantes por veículo, número que deixa a cidade em 5º entre as capitais mais motorizadas.

Com isso em mente, a reportagem do Folha Z foi atrás e elaborou um guia completo sobre a troca de óleo.

publicidade

Desde já, um alerta aos desatentos: rodar com o produto vencido pode comprometer o motor, causando prejuízos capazes de ultrapassar a faixa dos R$ 2 mil.

O quadro pode se agravar, ocasionando o famoso “motor fundido”, termo que expressa quando o motor deixa de funcionar.

O orçamento do conserto pode equivaler à metade do preço do automóvel.

Para se prevenir, confira as 10 dicas do Folha Z sobre a troca de óleo e não tenha dor de cabeça.

1 Tipos de óleo

Embora não seja uma prática complexa, é necessário ficar atento às condições de uso do produto.

A classe dos lubrificantes e a equivalência de quilometragem suportada é o que determina o momento certo de realizar a troca de óleo, conforme explicou o sócio-proprietário de uma empresa especializada em troca de óleo em Goiânia.

Antônio Garcia relatou que sua empresa, a Troca de Óleo Shekinah, trabalha com três tipos de lubrificantes diferentes.

A classificação dos óleos de carro se dividem em sintético, semi-sintético, e mineral | Foto: Folha Z
A classificação dos óleos de carro se dividem em sintético, semi-sintético, e mineral | Foto: Pedro Lopes

Confira a equivalência de quilometragem suportada de cada um:

Sintético – 10 mil km ou 6 meses;

Semissintético – 7 mil km ou 6 meses;

Mineral – 5 mil km ou 6 meses.

Segundo Antônio, a medição correta do óleo é de extrema importância para averiguar sua situação.

Portanto é indicado que seja feita seguindo as instruções adequadas: o carro deve estar em superfície plana e o motor deve estar frio.

2 Óleo sintético é melhor que o mineral?

Há prós e contras de ambos. A diferença entre eles está no processo de obtenção de óleos.

O sintético é elaborado em plantas petroquímicas, o que lhe garante mais resistência ao envelhecimento. Já o mineral é obtido a partir do refinamento do petróleo, dura menos.

O sintético, porém, é mais caro, enquanto que o óleo mineral, além de ser mais barato, é mais adequado para carros antigos.

Em Goiânia, a diferença dos preços entre eles pode variar de R$ 10 a R$ 50, dependendo da marca e da loja.

3 Pode misturar marcas de óleo?

Não é aconselhável, apesar de a composição entre as marcas ser a mesma. Para melhor desempenho do produto, use apenas uma marca.

4 A redução do volume do óleo é normal?

Sim, especialistas explicam que isso é normal, pois o veículo consome o produto para manter as peças lubrificadas.

O nível desse consumo varia de acordo com a montadora, que deve informar no manual o volume considerado normal para o respectivo modelo.

Troca de óleo é um procedimento comum, mas que exige atenção do proprietário do carro | Foto: Folha Z
Troca de óleo é um procedimento comum, mas que exige atenção do proprietário do carro | Foto: Pedro Lopes

4 Posso usar óleo de moto em carro?

Jamais. Óleo de moto é exclusivamente para moto. Nunca deve ser usado para motor de carro. Também não se deve usar nenhum outro tipo de lubrificante, como óleo de cozinha.

LEIA MAIS: Quantos km seu carro pode andar na reserva? Descubra

5 Óleo preto é óleo velho?

Não. É consenso entre especialistas que óleo preto não significa que ele esteja velho ou inútil.

A lógica, na verdade, é contrária: óleo preto é sinal de que ele está cumprindo sua função. O cliente deve confiar no prazo estipulado pela montadora.

6 Com qual frequência devo verificar o óleo?

O ideal é verificar uma vez por semana. Em se tratando de nível, diferente do que o senso comum diz, o nível correto está entre os dois traços e não só no traço superior.

Se excedido o limite, haverá aumento de pressão sobre o cárter, gerando vazamento e até ruptura de bielas.

7 Além do óleo, devo trocar o filtro?

Especialistas aconselham que, toda vez que for trocar o lubrificante, deve-se trocar o filtro de óleo também, pois as partículas do lubrificante velho comprometem a ação do filtro.

8 Quantos km posso rodar com o óleo do carro vencido?

Não existe uma determinação exata. O ideal é que o condutor não ultrapasse a quilometragem indicada com o mesmo lubrificante. Se insistir, os problemas surgirão gradativamente.

9 Cinco coisas que podem acontecer com o motor se não realizada a troca de óleo

Uma série de problemas podem ocorrer se o condutor esquecer de realizar a troca de óleo do veículo | Foto: Folha Z
Uma série de problemas podem ocorrer se o condutor esquecer de realizar a troca de óleo do veículo | Foto: Pedro Lopes

Acúmulo de sujeira

O óleo vencido vai, aos poucos, perdendo sua multiviscosidade, propriedade essencial do lubrificante.

O déficit de fluidez, diretamente proporcional à viscosidade, pode oxidar e se transformar em borra, isto é, uma densa camada de sujeira que compromete a lubrificação das peças.

Superaquecimento

Uma vez formada a crosta de sujeira, é possível que os dutos das peças fiquem entupidos, afetando o sistema de arrefecimento do motor e acarretando o seu superaquecimento.

Quando a peça fica sob temperaturas extremas, pode ocasionar a queima na junta do cabeçote e até um empenamento irreversível dos pistões.

Consumo elevado

Combustível e lubrificantes trabalham separadamente. Eles não se misturam se tudo estiver nos conformes.

Porém, os problemas gerados pelo óleo velho, como atrito entre as peças e acúmulo de calor, afetam a performance do motor, resultando no maior consumo de combustível.

Barulhos estranhos

Uma das funções do lubrificante é evitar o atrito entre as peças. Quando essa função é perdida, há o surgimento de sons esquisitos provenientes desse choque.

Pane mecânica

Somando todos os tópicos acima, e persistindo a teimosia, o motorista rebelde pode ter uma surpresa: motor fundido, isto é, deixou de funcionar.

Neste caso, a depender do diagnóstico do mecânico, o orçamento pode chegar a 50% do valor do veículo.

Por isso, fique atento. E não esqueça de conferir o óleo semanalmente.

10 Indicação

Antônio Garcia e Rafael Alves são sócios e funcionários da Troca de óleo Shekinah. | Foto: Folhaz
Antônio Garcia e Rafael Alves são sócios e funcionários da Troca de óleo Shekinah. | Foto: Pedro Lopes

Para o serviço, o Folha Z indica a Troca de Óleo Shekinah, localizada no cruzamento da C-125 com a C-104, no Jardim América, próximo ao Koyote Bar e Restaurante.

O Folha Z esteve no estabelecimento e conferiu a diligência e qualidade do atendimento prestado por Antônio Garcia e Rafael Alves, que, além de sócios da Shekinah, também são comprometidos com o cliente.

Serviços da Troca de Óleo Shekinah

Além da venda de extintores, a Shekinah realiza o check-up dos seguintes itens:

Rafael Alves, 27, um dos sócios, confere materiais de estoque | Foto: Folha Z
Rafael Alves, 27, um dos sócios, confere materiais de estoque | Foto: Pedro Lopes

– Fluído de freio e radiador (aditivo).

– Filtro de cabine, popularmente conhecido como ar-condicionado;

–  Lavagem de radiador, peça que faz parte do sistema de arrefecimento;

–  Venda de extintores e troca de paletas.

Endereço: Cruzamento da C-125 com a C-104, Jardim América.

Horário: 8h às 20h

Contato: (62) 3286-5859

 

Acompanhe o Folha Z no Facebook, Instagram e Twitter