Estudos preliminares dos testes de fase 1 e 2 apontaram que a vacina russa contra a covid-19 induziu uma resposta de anticorpos em todos os participantes.

Além disso, os resultados também não apresentaram efeitos adversos graves.

A revista The Lancet, uma das mais importantes do mundo, foi quem publicou o estudo.

A vacina induziu também uma resposta nas células T, tipo de glóbulo branco do sistema imunológico que destrói a infecção.

Mesmo antes do resultado dos estudos, autoridades russas já haviam feito afirmações semelhantes sobre a imunização.

Testes

Os testes, realizados em 2 hospitais russos, foram feitos em 76 adultos saudáveis, com idade entre 18 e 60 anos.

Para transportar o antígeno, foi usada uma vacina de duas partes com 2 adenovírus humanos diferentes ligados ao resfriado comum.

Todos os voluntários receberam a vacina sem grupo de controle.

Os pesquisadores coletaram plasma contaminado de 4.817 pessoas que se recuperaram de covid-19, leve ou moderadamente, para comparar a imunidade pós-vacinação com a imunidade natural.

Os resultados das respostas dos anticorpos foram mais altas nos vacinados.

Os participantes da fase 1 receberam uma dose, enquanto os grupos da fase 2 receberam uma 2ª dose 21 dias após a 1ª.

Agora, a Rússia foi autorizada a realizar o teste de fase 3 da vacina para 40.000 voluntários de diferentes idades e grupos de risco.

Críticas à vacina russa

A Rússia recebeu várias críticas das autoridades de saúde de outros países por ter aprovado a vacina antes de passar pela fase 3.

O país agora tenta ganhar credibilidade internacional com a divulgação dos resultados eficazes da imunização.

LEIA MAIS 👉 1ª vacina contra covid-19 tem previsão para chegar ao Brasil em outubro


Acompanhe a Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)

Comentários do Facebook