Rodrigo Czepak Folha Z

A realidade financeira do Governo de Goiás pode ser comparada a uma pessoa doente que inspira cuidados. Basta um vacilo e o quadro clínico volta a se agravar.

Como médico, o governador Ronaldo Caiado prefere não correr riscos. Por isso determinou que a tradicional festa de réveillon, patrocinada pelo cofre estadual, não seja realizada na próxima terça-feira, 31.

Qualquer outra decisão seria difícil de explicar. O primeiro ano do Governo Caiado foi dominado por medidas duras, algumas impopulares. A triste herança tucana pautou discursos e entrevistas.

Optou-se pelo uso de um remédio amargo e duradouro. Abrir exceção para gastos vultosos nos festejos da virada do ano fragilizaria a bandeira da contenção de despesas.

Antes de priorizar datas festivas, o governador precisa colocar a casa em ordem. Gastos supérfluos se comparados ao pagamento de dívidas, retomada de obras e recuperação da malha viária.

O segundo ano de mandato, justamente pela escolha de um tratamento tão rigoroso ao “paciente”, representará um divisor de águas na primeira experiência administrativa de Ronaldo Caiado.

Ronaldo Caiado escolhe Bruno Peixoto líder Governo Alego
Governador Ronaldo Caiado | Foto: Reprodução

O governo de hoje necessitará emitir sinais de guinada para um quadro mais otimista. Isso vai afetar diretamente o humor da população de Goiás e dos aliados em ano de eleição nos 246 municípios.

O desafio do médico Caiado é prescrever as doses do remédio no tempo certo, controlando a ansiedade da base governista.

Réveillon 2020: 15 festas para virar o ano em Goiânia e Aparecida


Acompanhe a Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)

Comentários do Facebook