Por Professor Alcides

Professor Alcides é empresário, professor e diretor da Faculdade Alfredo Nasser | Foto: Reprodução
Professor Alcides é empresário, professor e diretor da Faculdade Alfredo Nasser | Foto: Valdemy Teixeira

O termo altruísmo vem do francês (altruisme) e foi criado pelo filósofo Auguste Comte, para descrever o oposto do egoísmo.

Define-se como o ato de fazer bem ao próximo, mesmo que isso implique um risco ou um custo para nós próprios.

Contudo, embora seja visto como o simples ato de doar-se sem esperar nada em troca, o altruísmo vai muito além de uma boa ação ou de uma opção de vida.

Economia Total Tatico – 300 x 250

Ele é, antes, uma condição essencial para se alcançar a verdadeira felicidade e mudar os rumos da própria vida e do mundo.

Na parábola do bom pastor, Jesus apresenta-se como modelo de altruísmo. “Eu sou o Bom Pastor, o Bom Pastor dá a sua vida pelas suas ovelhas” (João, 10.11).

Na verdade, quanto maior o ato altruísta, maior pode ser a quantidade de pessoas atingidas pelo “sacrifício”, como é o caso de quem subtrai o tempo ao lado da família ou do ambiente profissional para prestar auxílio a outros necessitados.

Neste sentido, é importante atentar-se que estar em segundo plano é atender ao que o próximo acredita e não ao que você acredita que seja bom para ele.

Do contrário, seria um egoísmo disfarçado de altruísmo.

Comunidade

Confrontados com um mundo inquieto e inquietante, onde na maior parte das vezes parece reinar o individualismo, é difícil enxergar a força da benevolência: o poder de transformação positivo que uma atitude genuinamente altruísta pode ter sobre cada um de nós e, por conseguinte, sobre a comunidade de vida do planeta.

“Se o homem não amar ao próximo que vê como poderá amar a Deus a quem jamais viu? (I Jo 4.8)”.

Para ser altruísta, é preciso desprender-se de si e de suas ações para vestir-se de novas e boas atitudes. Viver deve ser um ato contínuo de dar e receber amor.

“Fazer o bem sem olhar a quem”, esse ditado popular traz uma paz de espírito indescritível, desde que realizado sem falsidade, sem se esperar nada em troca ou aplausos.

Por isso entendo que para um altruísta verdadeiro, é o resultado que conta, não a satisfação pessoal de ter ajudado.

Dizem que a bondade é o único investimento que nunca falha. Semear bons atos transborda em um benefício universal, pois fazemos florescer os corações que tocamos com ela.

Na verdade, embora não façamos o bem esperando uma recompensa, podemos ter a certeza de que alguém algum dia receberá a mesma moeda de mudança que nós demos.

A maior herança recebida de meus pais, desde quando ainda criança morando no interior da Bahia, foi o entendimento de que a simplicidade, a bondade, a fé, o amor e a alegria são magníficas pedras para edificar a casa da vida e que ela, a bondade, não se encontra nos grandes gestos, mas nos atos cotidianos, pois são aqueles que estão em nossas mãos.

“Foi justamente me pautando por esses princípios que aprendi o verdadeiro sentido do amor ao próximo e, a partir daí, estabelecer minhas raízes em solo goiano.”

Enriquecimento emocional

A gratidão e a satisfação de fazer o bem nos ajudam a criar vínculos afetivos duradouros e saudáveis, através dos quais obteremos a maior recompensa que existe: o enriquecimento emocional.

Foi justamente me pautando por esses princípios que aprendi o verdadeiro sentido do amor ao próximo e, a partir daí, estabelecer minhas raízes em solo goiano – sem me esquecer das origens – e compartilhar da feliz e harmônica convivência com a família aparecidense, a qual tenho uma eterna dívida de gratidão.

A grande “ironia” do amor altruísta é que justamente quanto mais oferecemos esse sentimento ao mundo, mais o recebemos em troca, mais felizes nos sentiremos, é fato. Isso porque o amor altruísta está profundamente ligado à gratidão, um sentimento que nos integra a todos os seres humanos.

A gratidão é a memória do coração e é por ela que o mundo abre as portas para que coisas boas cheguem a nós.

Desta forma, ser altruísta acaba não sendo opção, mas um pré-requisito para quem deseja ser feliz e viver integrado de forma positiva e construtiva à sociedade.

Assim, somente pela prática do altruísmo o homem será capaz de superar seus sofrimentos atuais e ganhar condições para ser bem-sucedido a partir de então.

Portanto, seja bom e faça o bem sem olhar a quem, pois a sensação positiva de fazê-los provoca o confortante “efeito colateral” da felicidade e satisfação.

ALCIDES RIBEIRO FILHO
Empresário, professor e diretor da Faculdade Alfredo Nasser