Motoristas insistem em ignorar os sucessivos alertas da PRF

Show após show, os “Patetas ao volante” são multados por irregularidades nas rodovias

Rodrigo Czepak Folha Z

Fica difícil compreender a obsessão de grande parte dos motoristas pelo caminho indevido e perigoso, ignorando o pisca-alerta da vida.

Na última sexta-feira, 20, o inspetor Newton Morais, da Polícia Rodoviária Federal (PRF), chamou atenção para o aumento da fiscalização nas rodovias em razão da Operação Férias.

O que aconteceu no dia seguinte? Quase 300 motoristas multados no perímetro urbano da BR-060 após show do cantor Gusttavo Lima em Anápolis.

PRF multa motoristas por desrespeito à Lei Seca | Foto: Reprodução / PRF-GO
PRF multa motoristas por desrespeito à Lei Seca | Foto: Reprodução / PRF-GO

“Pateta ao volante” é a melhor expressão para definir uma pessoa que bebe, ou mesmo ingere droga ilícita, sabendo que o show está sendo amplamente monitorado pelas forças policiais.

Esse tipo de presepada já vem ocorrendo com frequência em outros eventos como “Villa Mix” e “Deu Praia”.

O que mais impressiona é que PRF e Polícia Militar sequem precisam inovar, criar estratégia diferenciada para chegar ao infrator.

Os pontos de abordagem já são conhecidos e os avisos solenemente ignorados.

Acidentes e mortes

A cena se repete show após show: motoristas cabisbaixos com suas CNH’s retidas, multas que chegam a R$ 3 mil e enorme dor de cabeça para corrigir a lambança.

O lamento, infelizmente, dura até o próximo evento artístico de repercussão.

As muitas opções para o réveillon – e a insistência do cidadão cabeça dura em dirigir mesmo assim – devem aumentar o trabalho policial nesses últimos dias de 2019.

O “Pateta ao volante” só pensa em estar motorizado, desvalorizando a própria vida e a do seu semelhante.

Tudo seria mais simples se o papel de otário não fosse tão nocivo à sociedade, provocando acidentes e mortes.

Goiânia proíbe fogos de artifício e shows pirotécnicos com barulho


Acompanhe a Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)

Comentários do Facebook