A ordem não é real

Andréia Magalhães é docente na Estácio de Sá/GO, IPOG e Diretora na CGJGO
Andréia Magalhães é docente na Estácio de Sá/GO, IPOG e Diretora na CGJGO

A expressão “Ordem e Progresso” grafada na bandeira brasileira foi usurpada ao longo dos anos. Percebe-se que a ideia inicial de organização de um país foi extinguindo-se de acordo com a mudança dos dirigentes desta pátria.

A partir do momento que cada gestão rompe ações positivas para o iniciar de outras pelo simples fato da alteração do partidarismo, vê-se aí a fragilidade do termo que via de regra deveria ser seguido incessantemente.

Então, o que seria a Ordem nesse país?

Do ponto de vista jurídico este vocábulo se sustenta na lei.

Economia Total Tatico – 300 x 250

Nos lares, o pilar se da pela organização mínima para que um conjunto de pessoas conviva em harmonia.

Em ambientes escolares, o respeito ao espaço de cada indivíduo que ali se encontra.

Na segurança pública, a polícia.

Nas organizações de trabalho, a obediência.

Para a convivência em sociedade, a consideração ao espaço de cada um.

Uma dúvida! Onde fica a Ordem dos Governos?

Um comandante que recebe como certa e justa a ideologia do outro, mesmo que esse contrarie sua organização interna está seguindo o seu sistema? O socialismo que arrasa a plebe é lícito? Exaurir os cidadãos em recolhimento de tributos, contribuições, supressão de saúde e cuidados básicos, preterir serviços e tantas outras situações está no curso legítimo? O enriquecimento desmedido dos gestores públicos se enquadra dentro da ordem?

Aquela Ordem a qual a população obedece é inversamente proporcional à de quem dirige a nação. É muito fácil pregar a equidade financeira e enriquecer-se à custa da “democrática ditadura da velada democracia” que vivemos.

É incrivelmente desleal o antagonismo entre comandantes e comandados, uma vez que a minoria é sempre a classe dominante pregando a equivalência sem vivê-la na realidade.

Diante dessa descrença pessoal, essas mínimas e modestas argumentações não citaram o Progresso, visto que este precisaria de análise profunda sobre o que de fato o é.

Quanto à Ordem, essa não é real.

Andréia Magalhães é docente na Estácio de Sá/GO, IPOG e Diretora na CGJGO