Jornalista Marcos Cipriano escreve 'Pandemia serviu para revelar os canalhas do Brasil' | Foto: Engin Akyurt
Jornalista Marcos Cipriano escreve 'Pandemia serviu para revelar os canalhas do Brasil' | Foto: Engin Akyurt

Por Marcos Cipriano

A pandemia do coronavírus no Brasil ainda está longe de ser controlada, mas já é possível algumas lições, além da tragédia humana sem precedentes em nossa história.

No caso do Brasil, a pandemia escancarou ainda mais nossas tradicionais mazelas sociais: concentração de renda, saúde e educação fragilizadas, habitações precárias, insegurança alimentar.

O vírus desnudou os vários brasis dentro de um mesmo Brasil. Revelou a verdadeira extensão do subemprego, as relações de trabalho precarizadas e a face cruel do capitalismo selvagem, cuja a ganância pelo lucro interessa bem mais que a vida.

Muita coisa precisa mudar no pós-pandemia. Não dá mais para adiar a construção de moradias dignas, não dá mais para conviver com um transporte coletivo que trata as pessoas como se fossem gado, sem protocolos de segurança para evitar a propagação de viroses, com o mínimo de distanciamento social necessário.

A pandemia revelou também os canalhas deste país. E olha que não são poucos – autoridades da alta administração pública, negacionistas, empresários de visão tacanha, gatunos de toda espécie, médicos vendilhões, corruptos de toda ordem.

O mundo que vamos construir no pós-pandemia vai depender muito de uma arma poderosa, que não provoca mortes e feridos, mas que é a única verdadeiramente capaz de mudar o mundo: a educação.

Ela, sim, fará grande diferença e será capaz de nos criar as condições para um mundo mais humano, mais fraterno, solidário e ambientalmente sustentável.

LEIA MAIS 👉 “Enquanto Brasil se aproxima do platô da covid-19, Goiás acelera”


Acompanhe a Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)

Comentários do Facebook