Até 1 palmeirense vai torcer pelo Flamengo na Libertadores. E você?

Em 50 anos, o único momento em que me vi obrigado a aplaudir outras cores, como se não houvesse amanhã, foi com o rubro-negro da década de 1980

Nasci com o verde no peito, Palmeiras de coração, influenciado pela predominância dos clubes paulistas no norte do Paraná.

Dois outros fatores reforçaram a magia esmeraldina em minha vida:

1- A força do Palmeirinha, time amador que defendi na cidade natal (Bandeirantes);

2- A inesperada atração pelo Goiás Esporte Clube assim que cheguei ao território goiano (1982).

Em 50 anos, o único momento em que me vi obrigado a aplaudir outras cores, como se não houvesse amanhã, foi com o Clube de Regatas Flamengo da década de 1980.

Que time! Show comandado pelo maestro Zico em campo, coadjuvado por tantos craques, e show nas arquibancadas de um Maracanã que ensinava o restante do país a torcer.

À época, devo admitir, fiquei com uma pontinha de inveja. Hoje compreendo o motivo pelo qual o número de rubro-negros ultrapassa 40 milhões, segundo o DataFolha.

Gabigol e Bruno Henrique são destaques no ataque rubro-negro que encara o River Plate na final da Libertadores | Foto Alexandre Vidal / Flamengo
Gabigol e Bruno Henrique são destaques no ataque rubro-negro que encara o River Plate na final da Libertadores | Foto Alexandre Vidal / Flamengo

O Flamengo conquistou vários títulos consecutivos jogando um futebol vistoso e ofensivo. Algo que também pude presenciar com o timaço do Palmeiras (Parmalat) da década de 1990.

Momento

Enfim, dei uma senhora volta nos “campos da vida” para respaldar o chavão global: o Flamengo é o Brasil na final da Copa Libertadores – sábado, 17 horas – contra o River Plate.

Assim como acontece no Campeonato Brasileiro, espero ser contagiado pelo excelente futebol apresentado pelos discípulos do técnico Jorge Jesus.

Palmeirense sim, cego e insensível jamais. Os flamenguistas estão jogando o fino da bola e eu não consigo me enxergar torcendo para um time argentino.

Não espero reciprocidade caso os papéis se invertam no futuro. Futebol é momento. E o momento é rubro-negro.

Corinthians, Grêmio e Palmeiras conquistaram títulos relevantes num passado recente e não causaram tanto alvoroço. O futebol bem jogado sempre contagia e faz diferença.

Racismo no futebol: quando o ‘mar branco’ não enxerga o problema


Acompanhe a Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)

Comentários do Facebook