A melhor série da Marvel não está na Netflix

Marvel's Agents of S.H.I.E.L.D. está na quinta temporada | Foto: Divulgação
Marvel’s Agents of S.H.I.E.L.D. está na quinta temporada | Foto: Divulgação

Após uma enxurrada de produções originais da Netflix sobre o universo quadrinesco da Marvel nos últimos anos, uma série especial e pouco badalada mantém o posto de destaque.

Recentemente, a plataforma de streaming foi do céu ao inferno (ou o contrário) com Iron Fist, Defenders e Punisher, monopolizando a audiência quando o assunto é o universo Marvel na televisão.

publicidade

Mas, longe dos holofotes e com o reduzido orçamento da TV aberta estadunidense, a veterana Shield segue na dianteira das adaptações de gibis em formato seriado.

Marvel’s Agents of S.H.I.E.L.D. voltou para a sua quinta temporada em dezembro e mostrou que não está cansada de se reinventar e sair da sua zona de conforto.

Se a primeira temporada não dava mostras desse potencial, parecendo mais uma sombra blasé na cauda longa dos “Vingadores”, tudo mudou a partir do segundo ano.

Desde então, Shield passou por tramas que beberam dos roteiros de “Alien”, “Matrix” e até “Fringe”.

A série já mostrou, sem perder a compostura, criaturas de outro planeta, androides senscientes, universos simulados e paralelos, viagens no tempo e política internacional.

Tudo isso permeado de alguma crítica social minimamente relevante.

Na atual quinta temporada, os expectadores acompanharão um futuro distópico em que a Terra foi destruída.

Lá, toda a humanidade sobrevive à beira da extinção sob a tirania dos Kree, uma raça alienígena superpoderosa e, não menos importante, azul.

Mas o grande mérito de Shield é mesmo a evolução dos seus personagens. A grande mudança de Daisie, que já foi Sky, é coisa rara de se ver na televisão.

A maioria das séries (como esta que a coluna comentou na semana passada) evitam ao máximo mudar drasticamente as características dos seus protagonistas.

Isso porque veem na estabilidade a chave para manter a audiência em números regulares.

Sem essa covardia, Shield se tornou a melhor série baseada em quadrinhos (não só da Marvel, mas como também da DC e até da Image) na televisão. Duvida? Então assista!

Carl Grimes é interpretado por Chandler Riggs em The Walking Dead | Foto: Divulgação
Carl Grimes é interpretado por Chandler Riggs em The Walking Dead | Foto: Divulgação

The Walking Dead: a surpresa que não comove ninguém [SPOILERS]

O midseason finale de The Walking Dead (S08E08) mostrou ao menos uma novidade em meia temporada de enrolação.

A revelação de que Carl Grimes foi mordido por um zumbi, porém, trouxe à tona a pergunta que não quer calar: quem se importa?

Carl, que já havia perdido qualquer traço de relevância em meio à inexplicável crise de personalidade da série, agora terá uma inevitável jornada de sofrimento e autopunição.

Mas, como em outros momentos em que os roteiristas da série foram covardes e apelaram para recursos como as quase-mortes de Glenn, a mesma traquinagem pode estar a caminho.

Fãs já teorizam que Carl não teria sido mordido por um zumbi, mas sim por um dos “Sussurradores”.

Nos quadrinhos, esse grupo veste-se com as peles dos mortos para viver em meio a eles e adota uma filosofia de abandono total da humanidade e do personalismo.

Na visão de Carl, seu algoz dentado foi de fato um zumbi. Mas, na verdade, ele não passava de um espião fazendo as vezes de morto-vivo.

De qualquer maneira, esperamos que Carl morra antes da esperança de um TWD melhor e que a baixa seja o prenúncio do retorno às boas primeiras temporadas.

The Walking Dead volta no dia 25 de fevereiro para a segunda metade da oitava temporada.

A coluna é publicada semanalmente às quintas-feiras.

Newsletter

Quem quiser receber a coluna semanalmente por email pode deixar o endereço aqui embaixo nos comentários ou enviar uma mensagem para [email protected] com o assunto “Quero Newsletter”. Até a próxima!

Acompanhe o Folha Z no Facebook, Instagram e Twitter