Caiado espera a adesão dos 246 prefeitos ao novo decreto | Foto: Octacílio Queiroz/Governo de Goiás
Caiado espera a adesão dos 246 prefeitos ao novo decreto | Foto: Octacílio Queiroz/Governo de Goiás

Prefeitos não estão satisfeitos com os últimos desenvolvimentos da crise da covid-19 em Goiás.

Líderes ouvidos pela reportagem reclamaram da maneira como o governador Ronaldo Caiado (DEM) tem gerido a situação.

Para eles, a videoconferência realizada na 2ª feira (29) serviu apenas para que os técnicos da Universidade Federal de Goiás divulgassem as pesquisas mais recentes, que balizaram o decreto de isolamento intercalado de 14 dias.

Alguns prefeitos afirmam que gostariam de um diálogo maior e a elaboração conjunta de um plano para o Estado.

Agora, a responsabilização pela adoção ou não do plano de contingência estadual será individualizada, na mão de cada chefe municipal.

Dentro dos municípios, por sua vez, a queda de braço será com empresários e líderes de segmentos que clamam por uma flexibilização maior desde abril.

Aparecida, Trindade, Anápolis e Goianésia foram algumas cidades que já sinalizaram que não devem adotar o novo decreto.

“Provavelmente vamos continuar no protocolo que já está em vigência. Não vejo problema em ser prefeito e assumir as responsabilidades inerentes ao cargo em um momento difícil como esse”, afirmou nesta 3ª  feira (30) o prefeito de Trindade, Jânio Darrot (PSDB).

Já o prefeito de Goianésia, Renato de Castro (MDB), afirmou que pretende adotar um lockdown das 12h de domingo até o início da manhã de 2ª feira.

“Não temos a indicação de fechamento total do comércio. A gente acha que ainda dá para segurar”, afirmou.

Iris acata lockdown de 14 dias e Goiânia deve fechar já nesta semana


Acompanhe a Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)

Comentários do Facebook