Empresários farão carreata contra o lockdown em Goiânia

Protesto contra a suspensão das atividades comerciais na capital por 14 dias já tem data e local de concentração

Empresários e movimentos organizados convocaram uma carreata contra o lockdown escalonado decretado em Goiânia pelo prefeito Iris Rezende.

A manifestação está marcada para o próximo sábado (4), às 10h.

Já o local da concentração inicial será a Praça do Trabalhador.

Os organizadores do ato, membros da Frente Conservadora de Goiânia, advertem que os manifestantes usem máscaras de proteção facial durante a manifestação.

Carreata convocada para sábado (4) protestará contra o lockdown de 14 dias em Goiânia | Foto: Reprodução
Carreata convocada para sábado (4) protestará contra o lockdown de 14 dias em Goiânia | Foto: Reprodução

Decreto

A Prefeitura de Goiânia publicou nessa 3ª feira (30) decreto determinando a adesão às diretrizes do Governo de Goiás com a suspensão das atividades por 14 dias seguidos.

Logo, o fechamento segue até o próximo dia 13, e a primeira reabertura será no dia 14/7.

Nos períodos de suspensão, somente poderão ser realizadas as atividades essenciais, conforme estabelecido na legislação estadual:

✅ Farmácias, clínicas de vacinação, laboratórios de análises clínicas e estabelecimentos de saúde;

✅ Cemitérios e serviços funerários;

✅ Distribuidores e revendedores de gás, bem como supermercados e congêneres.

✅ Postos de combustíveis;

✅ Hospitais e clínicas veterinárias, incluindo casas que vendem insumos aos animais de estimação, bem como estabelecimentos comerciais que atuem na venda de produtos agropecuários;

✅ Agências bancárias e casas lotéricas;

✅ Produtores e/ou fornecedores de bens ou de serviços essenciais à saúde, à higiene e à alimentação;

✅ Serviços de call center restritos às áreas de segurança, alimentação, saúde e de utilidade pública;

✅ Atividades econômicas de informação e comunicação;

✅ Segurança privada;

✅ Empresas de transporte coletivo e privado, incluindo as empresas de aplicativos e transportadoras;

✅ Empresas de saneamento, energia elétrica e telecomunicações;

✅ Hotéis e correlatos, desde que para abrigar aqueles que estejam atuando na prestação de serviços públicos ou privados considerados essenciais ou para fins de tratamento de saúde, devendo ser respeitado o limite de 65% da capacidade de acomodação;

✅ Assistência social e atendimento à população em estado de vulnerabilidade;

✅ Obras da construção civil de infraestrutura do poder público, de interesse social, penitenciárias e unidades do sistema socioeducativo, bem como as relacionadas a energia elétrica e saneamento básico e as hospitalares, além dos estabelecimentos comerciais e industriais que lhes forneçam os respectivos insumos;

✅ Atividades comerciais e de prestação de serviço mediante entrega (delivery);

✅ Atividades destinadas à manutenção, à conservação do patrimônio e ao controle de pragas urbanas;

✅ Atividades de suporte, manutenção e fornecimento de insumos necessários à continuidade dos serviços públicos e das demais atividades excepcionadas de restrição de funcionamento;

✅ Desde que situados às margens de rodovias: Borracharias e oficinas mecânicas; Restaurantes e lanchonetes instalados em postos de combustíveis. Neste caso é válido ressaltar a lotação máxima de cinquenta por cento de suas capacidades de acomodação;

✅ O transporte aéreo e rodoviário de cargas e passageiros;

✅ Atividades administrativas necessárias ao suporte de aulas não presenciais;

✅ Estágios, internatos e atividades laboratoriais das áreas de saúde.

Goiânia publica decreto de adesão ao isolamento de 14 dias


Acompanhe tudo que acontece em Goiânia seguindo a Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)

Comentários do Facebook