Reforma é prevista para o Complexo Prisional de Aparecida, que será ampliado | Foto: Aline Caetano / TJGO
Reforma é prevista para o Complexo Prisional de Aparecida, que será ampliado | Foto: Aline Caetano / TJGO

A Diretoria Geral de Administração Penitenciária (DGAP) de Goiás tem um plano para criar mais 6 mil vagas no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia, que será ampliado com reforma.

A meta foi apresentada nessa quinta, 10, em reunião da Corregedoria de Justiça do Estado de Goiás sobre o sistema prisional.

De acordo com o diretor geral da DGAP, coronel Wellington de Urzêda Mota, o planejamento é de ampliar em mais de 60% as vagas no sistema prisional goiano.

Para isso, nos próximos 3 anos serão implantadas as novas vagas em Aparecida.

A utilização de um fundo para reforma do presídio poderá viabilizar ainda outras 400 acomodações dentro do complexo nesse período, segundo o cronograma de execução.

Problemas e humanização

Segundo o Urzêda, o sistema penitenciário tem inúmeros problemas e desafios no futuro próximo.

“No entanto, procuramos atuar em conjunto com os outros poderes e órgãos ligados ao sistema prisional na busca de alternativas viáveis e realmente eficazes na prática. Esse plano que tem um padrão mais humanizado é um primeiro passo nessa direção”, apontou.

Outros pontos que fizeram parte da explanação foram a extinção dos presídios mistos no Estado, com a construção de penitenciárias femininas, e a ampliação de vagas no interior.

Também participaram da reunião o corregedor-geral da Justiça de Goiás, desembargador Kisleu Dias Maciel Filho, o supervisor do Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário do Estado de Goiás (GMF/GO), desembargador Jairo Ferreira Júnior, e outros magistrados.

Custódia do Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia | Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil
Custódia do Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia | Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil

Contrariedade

A medida contraria empresários da região leste de Aparecida, que demandam a remoção da unidade do Regime Semiaberto do Complexo Prisional do Distrito Agro Industrial da cidade.

Segundo eles, a presença da unidade no local torna a região insegura e desvalorizada.

Em março, representantes da Associação Comercial, Industrial e Empresarial da Região Leste de Aparecida de Goiânia (Acirlag) levaram o pedido ao vice-governador Lincoln Tejota (Pros) e oo secretário estadual de Indústria, Comércio e Serviços Wilder Morais (DEM).

À época, Wilder garantiu que discutiria a retirada do presídio até até setembro deste ano.

Presídio continua como a “cabeça de burro” enterrada em Aparecida


Acompanhe tudo que acontece em Aparecida de Goiânia seguindo a Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)

Comentários do Facebook