Por irregularidades, vereador quer fim de contrato entre prefeitura e Saneago

Vereador quer que contrato entre a prefeitura e a Saneago seja rompido | Foto: Reprodução
Vereador quer que contrato entre a prefeitura e a Saneago seja rompido | Foto: Reprodução

O vereador Felisberto Tavares (PR) anunciou na sessão desta terça-feira, 6, que planeja apresentar um projeto de lei que suspende a concessão da Prefeitura de Goiânia para a Saneago explorar o serviço de água e esgoto da cidade.

Um requerimento apresentado pelo parlamentar convoca em regime de urgência dirigentes da empresa para comparecer à Câmara e explicar a “situação vexatória que estamos vivendo na capital: falta de água e, pior, um produto de péssima qualidade”.

Da tribuna, Felisberto lembrou que na administração Paulo Garcia a Câmara aprovou a prorrogação na concessão do serviço para a Saneago.

Felisberto Tavares | Foto: Divulgação/Câmara Municipal de Goiania
Vereador Felisberto Tavares (PR) | Foto: Divulgação/Câmara Municipal de Goiania
publicidade

“Acontece, porém, que o ex-prefeito não assinou a autorização para essa exploração. Se a concessão não foi autorizada pela prefeitura, estamos vivendo uma situação de total irregularidade”, apontou o vereador.

LEIA MAIS: Adutora estoura e cria enxurrada no Negrão de Lima

Com uma garrafa de refrigerante em mãos, Tavares afirmou que “não se sabe se o cidadão está recebendo água ou suco de groselha ou acerola, tal é a qualidade do produto”.

O rompimento em uma adutora da Saneago na confluência da 5ª Avenida com Avenida Independência, Região Leste, na semana passada, deixou dezenas de bairros sem abastecimento.

Outras regiões

Outros vereadores aproveitaram para destacar que em suas regiões a situação também é crítica.

GCM Policarpo Romário, PTC, disse que na Região Norte “os moradores não sabem mais a quem recorrer. A Câmara tem que investigar isso imediatamente”.

A tucana Cristina Lopes concordou que a situação é séria e sugeriu uma reunião de uma comissão de vereadores com o presidente da Saneago, Jales Fontoura, para discutir o assunto.

Vinícius Cirqueira, Pros, foi mais contundente: “No Jardim Guanabara, por exemplo, a água que ali chega é rara e suja”.

Cabo Senna completou: “Na verdade o cidadão, ao invés de água, tá recebendo é ar. Isso é um absurdo total”.

Acompanhe o Folha Z no Facebook, Instagram e Twitter