Presidente do PSL Goiás, o deputado federal Delegado Waldir não pretende expulsar do partido o colega parlamentar Eduardo Bolsonaro | Foto: Reprodução
Presidente do PSL Goiás, o deputado federal Delegado Waldir não pretende expulsar do partido o colega parlamentar Eduardo Bolsonaro | Foto: Reprodução

Presidente do PSL Goiás, o deputado federal Delegado Waldir não concorda com a expulsão do colega parlamentar Eduardo Bolsonaro do partido.

Ao “Estadão”, Waldir disse nesta terça, 26, que a medida seria como “dar doce para uma criança”.

“A criança faz manha, você vai dar o doce que ela quer? A expulsão talvez seja o que ele queira para poder migrar para outro partido”, disse o deputado goiano.

De acordo com Waldir, a expulsão serviria como “justa causa” para que o filho do presidente deixasse o PSL sem correr risco de perder seu mandato.

Assim, Waldir defende que Eduardo e outros parlamentares do PSL sejam apenas suspensos.

Essas medidas são debatidas pela comissão de ética do PSL nesta terça, 26.

Eduardo Bolsonaro é alvo de 5 procedimentos na comissão depois de ter protagonizado uma disputa pelo comando do partido na Câmara.

Bolsonaro quer Professor Alcides em seu novo partido


Acompanhe a Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)

Comentários do Facebook