Papelão! Ouça o áudio da baixaria no diretório do PMDB em Goiás. Após tiro, membro diz: “Você vai me matar, deputado”

(Foto: Reprodução/Alego e Reprodução/Facebook; Montagem: A Redação)
Pablo Rezende (à direita) afirma que o deputado Paulo Cezar Martins exigiu que ele saísse do diretório sem as cópias das atas (Foto: Reprodução/Alego e Reprodução/Facebook: Montagem: A Redação)

Cópias de documentos causaram na noite desta quarta-feira, 27, no diretório do PMDB, briga e tiros foram disparados.

A confusão envolveu o apadrinhado da Dona Íris e presidente nacional da Juventude do partido, Pablo Rezende, e o deputado estadual peemedebista Paulo Cezar Martins.

Pablo teria ido ao diretório para tirar cópia das atas das convenções municipais. Ele estava com um advogado e um requerimento de urgência para a solicitação.

Em entrevista à imprensa, Pablo relatou que suas ações dentro do diretório foram supervisionadas pela secretária do partido, Dona Ellen. De acordo ele, havia indícios de fraude em alguns documentos e por isso ele fez solicitação, pois queria conferir a documentação. Ele revelou que o deputado Paulo Cezar Martins o viu no diretório e exigiu que ele saísse sem as cópias e imediatamente.

Unifan Bolsas de até 70% – 300×250

LEIA MAIS: “Não vou recuar”, diz major Araújo, enfatizando que a intenção do governador não é intimidá-lo e sim impedir que outros o confrontem

Violência

Segundo Pablo, ele afirmou ao deputado que o presidente da comissão provisória estadual, Pedro Chaves, havia autorizado tirar cópias dos documentos. De acordo com o presidente da ala jovem do PMDB, Paulo Cezar se enfureceu, quebrou o computador, arremessou móveis e documentos pela sala.

Um dos jovens militantes do partido teve seu celular quebrado, ao ser percebido filmando. Segundo Pablo, neste momento a segurança do deputado atirou contra o teto da sala. Ele revela estar bem, mas diz ainda receber ameaças do deputado.

Gravação

Durante a discussão, foi gravado um áudio que mostra a reação do deputado e dos presentes no local. No meio da conversa, após uma série de gritos, um tiro é disparado para o teto.

“Vai matar a gente. O senhor vai matar a gente! O senhor deu um tiro no diretório! O nosso partido é da democracia, deputado!”, gritava o jovem peemedebista enquanto alguém gravava o áudio do ocorrido.

No áudio a seguir é possível ouvir parte do ocorrido: