Ex-ministro da Saúde apoia aborto de fetos com microcefalia

Ex-ministro acredita que criminalização do aborto penaliza apenas mulheres pobres (Foto: Elza Fiúza/ABr)
Ex-ministro acredita que criminalização do aborto penaliza apenas mulheres pobres (Foto: Elza Fiúza/ABr)

O ex-ministro da Saúde José Gomes Temporão (PSB-RJ) declarou que apoiará a ação pelo direito legal ao aborto de fetos com microcefalia, que deve ser levada ao Supremo Tribunal Federal nas próximas semanas.

Temporão acredita que o projeto não tem chance alguma de ser aprovado caso a discussão seja levada à Câmara dos Deputados: “Jamais passaria. Este é talvez o mais reacionário corpo de deputados e senadores da história republicana”, analisou. Mas ele acredita no debate por meio do Judiciário.

Anencéfalos

Segundo matéria recente da BBC Brasil, o mesmo grupo de advogados, acadêmicos e ativistas que viabilizou a legalização do aborto de fetos anencéfalos no STF em 2012 articula ação similar em relação à microcefalia.

Figura destacada do grupo, a professora Debora Diniz diz que a interrupção das gestações é só um dos pontos da ação, que inclui políticas para erradicar o mosquito Aedes aegipty e acompanhamento e tratamento de crianças com deficiência ou má-formação causadas pela doença.

Aborto

Temporão já defendeu publicamente o aborto legal como questão de “saúde pública”. Enquanto ministro, já chegou a afirmar que a discussão era tratada no Brasil “de forma machista”.

LEIA MAIS: Juiz autoriza aborto de feto com 5 meses em Goiânia. Gravidez colocava em risco vida da mãe

“A questão tratada nesta demanda ao Supremo se refere aos direitos da mulher”, afirmou. “Caso seja comprovada esta relação entre zika e microcefalia, a mulher deve ter o direito de levar a gravidez adiante ou não.”

Combate ao mosquito

Para Temporão, há “uma falsa impressão” de que epidemia do Aedes aegipty seja causa pela “negligência das pessoas”. Ele culpa o Estado, por não oferecer “coleta de lixo, fornecimento correto de água e esgotamento sanitário” de forma adequada.

LEIA MAIS: Ministério da Saúde confirma 404 casos de microcefalia no Brasil

“Cerca de 80% dos focos no Nordeste não estão lá por culpa das famílias. Elas não têm acesso a água de forma contínua, por isso estocam. O Brasil enfrenta surtos permanentes de zika, dengue e chikungunya há 30 anos porque estas questões não foram atacadas.”

Comentários do Facebook