Prefeitura de Goiânia prepara retomada gradual do comércio | Foto: Divulgação
Prefeitura de Goiânia prepara retomada gradual do comércio | Foto: Divulgação

A Prefeitura de Goiânia já tem um plano para a retomada controlada do comércio e atividades não essenciais na cidade.

Após várias reuniões entre secretários municipais e representantes das categorias que reivindicam a reabertura, o processo foi definido com critérios sanitários e regras para evitar o contágio da população pelo novo coronavírus.

Na segunda-feira (1/6) já poderão reabrir as imobiliárias e os mercados municipais.

Também serão liberados os treinos de futebol para atletas profissionais.

Para o prefeito Iris Rezende todos devem contribuir, “utilizando a máscara e evitando ajuntamento de pessoas, para que daqui a pouco tudo em Goiânia esteja aberto e o povo novamente feliz”.

De acordo com a secretária de Saúde Fátima Mrué, os critérios foram definidos para retomar alguns segmentos de forma “segura e escalonada”, contemplando as mais de 80 propostas de flexibilização recebidas pela prefeitura nas últimas semanas.

Plano a longo prazo

Prefeito Iris Rezende e secretária de Saúde Fátima Mrué | Foto: Divulgação
Prefeito Iris Rezende e secretária de Saúde Fátima Mrué | Foto: Divulgação

A secretária destacou que o plano tem meta a longo prazo.

“Atividades que aglomeram pessoas provavelmente serão as últimas a serem liberadas”, disse.

Fátima também explicou que a situação epidemiológica da cidade hoje é próxima ao pico de contaminação e a preocupação é com a “capacidade assistencial, mais especificamente de leitos de UTI”.

“Então o que temos que fazer é ajustar a taxa de transmissão à nossa capacidade assistencial. Nesse momento nós temos uma situação em que a taxa de ocupação é de 80%, ou seja, uma taxa que nos preocupa, então não podemos abrir mais nenhum segmento que coloque a população em risco”.

Comitê discute liberar todas as feiras em Aparecida


Acompanhe tudo que acontece em Goiânia seguindo o Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)

Comentários do Facebook