O ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, concedeu entrevista à Revista Veja com a intenção, segundo ele, “exclusiva de se defender das fakes news e ofensas”.

O encontro com os jornalistas ocorreu na última 4ª feira (29), em Brasília, no apartamento do ex-juiz.

Durante a conversa, ele explicou detalhadamente sua saída do Governo Federal.

Sergio Moro afirmou que o governo Bolsonaro nunca priorizou o combate à corrupção e que vai apresentar ao Supremo Tribunal Federal (STF) provas contra o presidente Jair Bolsonaro.

Coaf e projeto anticrime

“Sinais de que o combate à corrupção não é prioridade do governo foram surgindo no decorrer da gestão. Começou com a transferência do Coaf para o Ministério da Economia. O governo não se movimentou para impedir a mudança. Depois, veio o projeto anticrime.”, declarou durante a entrevista.

Moro disse que Ministério da Justiça trabalhou muito para que essa lei fosse aprovada, mas segundo ele, o projeto “sofreu algumas modificações no Congresso que impactavam a capacidade das instituições de enfrentar a corrupção”.

Juiz de garantias

“Recordo que praticamente implorei ao presidente que vetasse a figura do juiz de garantias, mas não fui atendido”, reclamou Moro na entrevista.

Na entrevista, o ex-ministro Moro declarou que não aceitará ser chamado de mentiroso, em reação ao pronunciamento feito pelo presidente Jair Bolsonaro na última 6ª feira (24), horas após Moro anunciar que sairia do governo por falta de autonomia na Polícia Federal.

A entrevista à revista chega às bancas neste sábado, 2.

Comentários do Facebook