Marconi só não dormiu na prisão devido à lei eleitoral, diz Míriam Leitão

Para a jornalista, ex-governador poderia ter se tornado uma alternativa para o PSDB a nível nacional "se não tivesse cometido os erros que cometeu"

Míriam Leitão escreve artigo com duras críticas a Marconi Perillo | Foto: reprodução
Míriam Leitão escreve artigo com duras críticas a Marconi Perillo | Foto: reprodução

Em artigo para o jornal “O Globo”, a jornalista Míriam Leitão teceu duras críticas ao ex-governador de Goiás Marconi Perillo (PSDB).

Em referência à Operação Cash Delivery, ela afirmou que o candidato tucano ao Senado só não dormiu em uma cela de prisão porque foi protegido pela lei eleitoral.

Ainda de acordo com a jornalista, a operação da Polícia Federal, exatamente quatro anos após a primeira fase da Lava Jato, exemplifica os sinais explícitos de corrupção que rondam as campanhas eleitorais.

Disse também que, no ano de 2017, em clima pré-eleitoral, foi quando começou a derrocada da base governista.

Unifan Bolsas de até 70% – 300×250

Míriam usou como exemplo a venda da Celg.

Para ela, o dinheiro arrecadado deveria ter sido investido para redução de dívidas, por exemplo, e não desperdiçado em obras para cimentar a relação com prefeitos.

Sobre a Cash Delivery, a defesa de Marconi ataca a operação, classificando-a como eleitoreira.

Porém, Míriam rebate a afirmação: “E o quase R$ 1 milhão em dinheiro vivo encontrado na casa do motorista do ex-tesoureiro e atual coordenador de campanha do aliado, é eleitoreiro ou coincidência?”.

Artigo de Míriam Leitão na íntegra

Apesar das duras críticas, Leitão considera acertadas algumas ações pelo ex-governador. “Marconi Perillo tomou algumas boas decisões que foram desfeitas por seus próprios erros, e agora precisa explicar dinheiro vivo na campanha”, analisa Míriam.

Confira o artigo escrito pela jornalista na íntegra:

Artigo de Miriam Leitão, na íntegra | Foto: reprodução
Artigo de Miriam Leitão, na íntegra | Foto: reprodução

LEIA MAIS: As 5 dores de Zé Eliton (a última pode ter sido o golpe fatal)


Acompanhe tudo que acontece em Goiânia seguindo o Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)