OS qualificada para gerir escolas tem diretor denunciado por corrupção

Propaganda do governo destaca eficiência da "gestão compartilhada" enquanto OS terá participação de ex-diretor do HGG envolvido justamente em esquema de desvio de dinheiro público (Foto: Reprodução)
Propaganda do governo destaca eficiência da “gestão compartilhada” enquanto OS terá participação de ex-diretor do HGG envolvido justamente em esquema de desvio de dinheiro público (Foto: Reprodução)

Nesta quinta-feira (11), foram qualificadas mais quatro Organizações Sociais para atuar na educação pelo Governo de Goiás. Ao todo, já são 11 grupos que preenchem os requisitos e podem concorrer à posição de gerência de escolas estaduais.

Uma das entidades qualificadas é o Grupo Tático Resgate (GTR), que tem entre seus campos de atuação “gestão de unidades de saúde, gestão de unidades de ensino, cursos e treinamentos, assessoria em saúde, educação, cultura e desporto”.

O presidente da GTR é André Luiz Braga, ex-diretor do Hospital Alberto Rassi (HGG) e denunciado por improbidade administrativa em operação do Ministério Público que apurou uso indevido de recursos do fundo rotativo de saúde.

Segundo o site do grupo, “a GTR possui em seu conselho de administração profissionais de renome em educação, com experiência comprovada em gestão de unidades de ensino”.

Braga é também diretor do Instituto Brasileiro de Cultura, Educação, Desporto e Saúde (IBRACEDS), OS qualificada ainda em setembro do ano passado.

LEIA MAIS: Carro de Antônio Gomide capota na BR-060. Ele passa bem

Descontentes

A resistência à implantação das OSs na Educação perde força no Estado. Um dos últimos colégios desocupados em Goiânia foi o Lyceu, na quinta-feira (11).

Segundo a Secretaria de Educação, Cultura e Esporte de Goiás (Seduce), a desocupação foi pacifica e dialogada. E de acordo com o subsecretário de Educação da Seduce, Marcelo Oliveira, restam apenas oito escolas ocupadas.

 

Comentários do Facebook