PF investiga dinheiro em contas de marketeiro petista no exterior

Marqueteiro João Santana e presidente Dilma Rousseff durante campanha eleitoral de 2010 (Foto: Reprodução)
Marqueteiro João Santana e presidente Dilma Rousseff durante campanha eleitoral de 2010 (Foto: Reprodução)

A nova etapa da Operação Lava Jato, deflagrada nessa segunda-feira (22), teve oito mandados de prisão decretados, entre eles estão o do publicitário João Santana e de sua mulher, Mônica Moura. O casal está fora do país, em viagem à República Dominicana, e declararam que voltam ainda nessa segunda ao Brasil. Os mandados deles são de prisão temporária.

Em entrevista na Superintendência da Polícia Federal (PF) no Paraná, os investigadores informaram que a nova fase iniciou a partir da abertura de um inquérito em setembro. A polícia apreendeu na casa do engenheiro Zwi Skornicki, funcionário da construtora Odebrecht, documentos em que Santana e a esposa dão orientações de como enviar dinheiro para contas deles no exterior.

Um dos documentos é assinado por Mônica – com o sobrenome Santana – enviado a um grupo de funcionários da construtora, que era responsável pelos pagamentos da empresa no exterior. O destino final dos repasses seriam contas na Suíça, a partir de financeiras localizadas nos Estados Unidos. Zwi Skornicki foi preso preventivamente na operação de hoje.

LEIA MAIS: Professor Alcides recebe apoio de Thiago Albernaz e diz querer agir como Nion em Aparecida

Segundo os investigadores, Mônica enviou um contrato de referência usado anteriormente como modelo para simular a prestação de serviços. Apesar de rasurado, de forma a dificultar a identificação de algumas informações, peritos da PF conseguiram identificar o conteúdo, o que acabou por agregar mais provas e abrir novas frentes de investigações.

EUA

Tendo por base essas informações, a PF fez pedido de cooperação ao governo norte-americano. “Isso nos possibilitou rastrear esses pagamentos supostamente ilegais no exterior em conta secreta de João Santana. Pagamentos provenientes da Odebrecht e do engenheiro Zwi Skornicki. A suspeita é que o pagamento veio de serviços eleitorais prestados ao PT”, disse o delegado Filipe Pace.

João Santana coordenou as duas campanhas da presidente Dilma Rousseff, em 2010 e 2014, e a campanha de reeleição do ex- presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 2006. (Com informações da Agência Brasil)

Comentários do Facebook