PMDB goiano rompe com PT e abandona Dilma Rousseff e Paulo Garcia

Deputado federal Bruno Peixoto (Foto: Reprodução)
Deputado federal Bruno Peixoto (Foto: Reprodução)

Depois de reunião da executiva estadual nessa segunda-feira (21), o PMDB rompeu de forma oficial com o PT do prefeito Paulo Garcia. Segundo o presidente metropolitano do partido e deputado estadual Bruno Peixoto, o PMDB passa a ser oposição à Prefeitura de Goiânia e deixa todos os cargos que ocupa à disposição do prefeito.

Ainda de acordo com o presidente, Eudes Vigor deixará o partido para continuar na base. Já Mizair Lemes Jr. e Paulo Borges – licenciado do cargo de vereador e secretário municipal de Desenvolvimento Econômico – devem pedir a desfiliação em breve.

Com o rompimento, o PMDB pode preder metade dos seus representantes na Câmara Municipal. Dos sete vereadores peemedebistas, “devem permanecer de três a cinco”, segundo Bruno Peixoto.

publicidade

Dilma Rousseff

Em nível nacional, o PMDB Goiás também decidiu deixar a base da presidente Dilma Rousseff (PT). O deputado federal Daniel Vilela, presidente estadual do partido, ainda vai divulgar, em manifesto encaminhado à executiva nacional, a sinalização a favor do rompimento da aliança com o PT.

LEIA MAIS: Clima de guerra entre PMDB e PT; Andrey Azeredo será exonerado da SMT. Carlos de Freitas é o próximo

Antes de Goiás, outros dez Estados já haviam abandonado o PT:  foram Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Paraná, São Paulo, Espírito Santo, Piauí, Distrito Federal, Acre, Pernambuco, Tocantins, Maranhão, Bahia e Mato Grosso do Sul.