Presídio continua como a “cabeça de burro” enterrada em Aparecida

Penitenciária Odenir Guimarães, encravada na região leste de Aparecida de Goiânia há mais de 50 anos, vai permanecer onde está por tempo indeterminado. Secretário ainda prevê ampliação

A Penitenciária Odenir Guimarães (POG), encravada na região leste de Aparecida de Goiânia há mais de 50 anos, vai permanecer onde está por tempo indeterminado.

A informação foi dada pelo secretário de Segurança Pública de Goiás, Rodney Miranda, na última terça-feira, 8.

Como é um quadro técnico oriundo de outro Estado, escolhido pelo governador Ronaldo Caiado nas fileiras da Polícia Federal, o titular da SSP/GO colocou o dedo numa ferida pública que se arrasta desde a década de 1990.

Secretário estadual de Segurança Pública Rodney Miranda e governador de Goiás Ronaldo Caiado | Foto: Divulgação
Secretário estadual de Segurança Pública Rodney Miranda e governador de Goiás Ronaldo Caiado | Foto: Divulgação

Frase de Rodney Miranda durante entrevista coletiva: “Futuramente queremos fazer uma requalificação da unidade (POG) e ampliar o número de vagas”.

Impotência

Ninguém explicou ao secretário que o desejo número 1 dos moradores e autoridades de Aparecida de Goiânia é a transferência do complexo penitenciário – incluindo o prédio do regime semiaberto – para outro local.

Existe, na verdade, um sentimento de impotência e frustração diante dos sucessivos pleitos do município ignorados pelo Governo estadual ao longo de décadas.

Nem mesmo o prestígio de Maguito Vilela, ex-governador, ex-senador e ex-prefeito da cidade, foi suficiente para sensibilizar as autoridades competentes.

Motivos não faltam para o cidadão aparecidense “demonizar” o presídio. Entre eles, o principal: enorme prejuízo na atração de investimentos para uma área importante do município.

Dezenas de negócios já deixaram de ser fechados nas proximidades da POG por conta das imagens, que correm o mundo, de constantes rebeliões de presos em estruturas defasadas.

Noticiários de apreensão de celulares, drogas e armas no presídio são constantes | Foto: Reprodução / Fotos Públicas
Noticiários de apreensão de celulares, drogas e armas no presídio são constantes | Foto: Reprodução / Fotos Públicas

Piada

O termo requalificação não se aplica a prédios superlotados, literalmente caindo aos pedaços. O conceito de ressocialização vira motivo de piada em meio ao depósito de pessoas.

A sina do município é continuar protagonizando intermináveis noticiários de apreensão de celulares, drogas e armas no presídio. Quem não se lembra do motel que começou a ser construído no local?

O cidadão, por sua vez, tem o dever de lembrar da imagem negativa da cidade toda vez que um político repetir a promessa de transferência em palanque.

O complexo penitenciário deve continuar representando, por muitos anos ainda, a “cabeça de burro” enterrada em Aparecida de Goiânia. Uma vergonha!

Motel foi montado na Penitenciária Odenir Guimarães (POG) | Foto: Reprodução
Motel foi montado na Penitenciária Odenir Guimarães (POG) | Foto: Reprodução

Relembre Leonardo Pareja: de sequestros e rebeliões à morte sem fama


Acompanhe a Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)

Comentários do Facebook