Permanência de Alcides no PSDB é incerta. Professor tem planos para 2018

Professor Alcides continuará nos bastidores do futebol goiano em 2017 e 2018 | Foto: Guilherme Coelho/Folha Z
Professor Alcides disse que só decidirá sobre seu futuro político depois do Carnaval, quando pensará sobre candidatura para 2018 | Foto: Guilherme Coelho/Folha Z

Com 38.944 votos (18,91%) obtidos na disputa pela Prefeitura de Aparecida de Goiânia, Professor Alcides (PSDB) disse em entrevista ao Folha Z que ainda não decidiu o que fará no seu futuro na política. Mas, perguntado se é uma possibilidade concorrer a uma vaga na Câmara dos Deputados em 2018, Alcides disse se tratar de uma possibilidade a ser considerada.

“É algo em que podemos pensar. Porque é uma forma de ajudar a cidade de Aparecida, um deputado federal pode ser muito útil à sua cidade e Aparecida não tem um deputado”, afirmou. Para ele, Daniel Vilela (PMDB) não atua em prol dos aparecidenses: “Não tenho conhecimento de que tenha ajudado a cidade em nada”.

Sobre a decisão, Alcides afirmou que só fará uma escolha definitiva após o Carnaval. Decidirá se será candidato ou se apoiará alguém, além de definir até mesmo sobre sua permanência no PSDB, que não é uma certeza para o empresário.

publicidade

LEIA MAIS: “Você tem que pedir perdão a Deus”, diz Professor Alcides a Mendanha

“Depois do Carnaval vou decidir se vou deixar a política, que é o que todos os colegas diretores da Unifan querem, inclusive a família”, disse. Alcides ainda contou ter gosto pela política, apesar de não ter tido sorte na campanha, citando que “há muita traição, rolo e malandragem”.

Empresas

Alcides Ribeiro afirmou que hoje está preocupado em colocar suas empresas nos trilhos e prepará-las para 2017. Segundo ele, existem planos para fazer a expansão da Unifan no entorno de Brasília, no interior da Bahia, inclusive em outras cidades.

“Estamos atravessando uma crise extremamente aguda no País e, por assim ser, você tem que se dedicar um pouco mais, porque você mostra a sua eficiência nos momentos mais difíceis”, destacou.

Acompanhe o Folha Z no Facebook, Instagram e Twitter