Ronaldo Caiado diz que extinção de gerências de segurança comprova o descaso do governo do Estado de Goiás com o Entorno

h
h

O senador Ronaldo Caiado (DEM) disse nesta sexta-feira, 29 de maio, que a decisão do governador Marconi Perillo de extinguir as gerências do Corpo de Bombeiros Militar, da Polícia Técnico-Científica e da Polícia Civil no Entorno do Distrito Federal é mais uma prova do descaso com os moradores da região. A extinção consta do ajuste do projeto de reforma administrativa do governo estadual e foi publicada na quinta-feira, 28 de maio, no Diário Oficial do Estado.

Estelionato eleitoral

“O governador tira serviços essenciais do Entorno e mostra mais uma vez que a região só existe para ele em época de eleição. As gerências em questão foram criadas em 2013, pouco mais de um ano antes das eleições e extintas tão logo garantiu seu mandato. Estamos diante de mais um caso de estelionato eleitoral e quem sofre é a população do Entorno, que é a que mais precisa de investimentos na área de segurança pública em nosso Estado”, criticou o senador.

A lei 17.995, que instituiu as unidades administrativas complementares da Secretaria de Estado da Segurança Pública no Entorno, é de 26 de abril de 2013. Na época, estavam sendo criadas seis unidades naquela região. Ao todo, as gerências não avançaram os dois anos de funcionamento. Na ocasião da criação, Marconi Perillo chegou a defender a iniciativa como necessária para conter os alarmantes índices de violência na região.

Economia Total Tatico – 300 x 250

‘Marconi deixa o supérfluo e corta o essencial’

“A população do Entorno se sente traída com o que Marconi Perillo faz. Primeiro gera expectativa nos moradores, cria gerências na área de segurança pública, promete reduzir a violência. Passada a eleição, esquece de todas as promessas e se desfaz do que criou sem ao menos dar a devida satisfação”, afirmou o senador. “Além disso, quem entende esta reforma? Diz que vai fazer cortes mas aumenta gastos com comissionados e mantém altos salários das diretorias. Em resumo: deixa o supérfluo e corta o essencial”, resumiu.