Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

As bancadas do DEM e do MDB na Câmara dos Deputados anunciaram que não farão mais parte do chamado Centrão.

Liderado pelo deputado Arthur Lira (PP-AL), o bloco tinha, além de MDB e DEM, PL, PP, PSD, Solidariedade, PTB, Pros e Avante.

Com a saída dos 2 “gigantes”, o Centrão perderá 28 deputados democratas e 35 emedebistas, mantendo um número de 158 representantes.

Perguntado sobre uma possível insatisfação com o Governo Bolsonaro, o líder do DEM, deputado Efraim Filho (PB), afirmou que o movimento não passa de uma busca por autonomia.

Mas nas últimas semanas, Bolsonaro se aproximou do centrão para montar uma base de apoio e o deputado Arthur Lira, que é líder do bloco na Câmara, vem procurando ganhar apoios para poder substituir Rodrigo Maia (DEM-EJ) no comando da Casa em fevereiro de 2021.

Sucessão de Maia

Nos bastidores de Brasília, porém, comenta-se que a manobra visa articular um novo grupo que dê sustentação à reeleição de Rodrigo Maia (DEM) à presidência da Câmara.

LEIA MAIS SOBRE POLÍTICA 👉 Para Daniel Rodrigues, MDB poderá levar Professor Alcides à prefeitura


Acompanhe a Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)

Comentários do Facebook