O cabide, a torneira e os exemplos

Entro no elevador e o vizinho se apressa em dizer: “Êita, 105 dias sem chuva! O racionamento vem aí”. Óbvio que ele tinha acabado de acompanhar o noticiário.

Estico a conversa alegando que o período de estiagem castiga até outubro, não há como fugir dessa realidade. “Mas você viu alguns dos motivos que fizeram a crise hídrica aumentar em Goiás?”, emendei.

O vizinho arregalou os olhos com medo do rumo da conversa. Relatei a inversão de prioridades no comando da Saneago ao longo dos últimos anos.

As despesas com folha de pessoal cresceram 228% entre 2010 e 2017. Na outra ponta, os gastos com investimento caíram 35%.

Dados do Ministério da Economia, divulgados pelo jornal “O Popular”, sem entrar no mérito das investigações sobre desvios de recursos públicos.

Cabide

Sabe o que isso representa? Havia, sim, dinheiro suficiente em caixa para a construção dos famosos linhões que compensariam a escassez do rio Meia Ponte com a abundância do ribeirão João Leite.

Os moradores da Região Metropolitana de Goiânia, com ênfase para Aparecida e Trindade, não precisariam passar por tantas dificuldades nos períodos de estiagem.

O elevador chega na garagem e o vizinho, contrariado com os dados que ele desconhecia, disparou a frase que resumiu o diálogo: “Não há torneira (jorrando) que resista à força do cabide (de emprego)”.

O resgate de credibilidade da nova gestão da Saneago passa pelo incremento na aplicação dos recursos com foco no usuário. Recomendar uso comedido das reservas hídricas é o básico do básico. O bom exemplo vem de cima.

Perímetro urbano da BR-153 trava, mata e envergonha na mesma proporção


Quer receber notícias de política?

Você está convidado a fazer parte de um grupo altamente bem informado sobre o assunto.

É só seguir o Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)

Comentários do Facebook