A prisão do presidente do Instituto de Assistência a Saúde e Social dos Servidores Municipais de Goiânia (Imas), Sebastião Peixoto, pode ter consequências mais profundas na política goiana.

Ele foi detido na manhã desta quinta-feira, 21, na Operação Fatura Final, do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público de Goiás.

Segundo investigação do MP, Tião e outras 5 pessoas seriam responsáveis por falsificação de documentos e apropriação de verbas do Imas.

Alvo da ação, Peixoto passou mal na sede do Gaeco e teve que ser socorrido pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu).

Por fim, foi levado ao Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia.

Mas o que isso representa para a família Peixoto em Goiás?

Operação Multigrana identificou esquema milionário no Mutirama e no Zoológico de Goiânia | Foto: Divulgação/Prefeitura de Goiânia
Operação Multigrana identificou esquema milionário no Mutirama e no Zoológico de Goiânia | Foto: Divulgação/Prefeitura de Goiânia

Continuação da família na prefeitura

Por meio de nota, a Prefeitura de Goiânia relatou que denúncias que originaram a operação partiram da própria Controladoria Geral do Município (CGM).

Afirmou ainda que colaborará com o MP e que afastará todos os envolvidos dos cargos até a conclusão das investigações.

Até lá, o procurador André Quintino Paiva será o diretor interino do Imas.

Fontes internas ao Paço Municipal acreditam que a ação pode representar o fim da ligação entre Sebastião Peixoto e o Executivo municipal.

Em 2017, Peixoto já havia sido implicado em um esquema de superfaturamento e desvio de recursos do Parque Mutirama.

Os ilícitos teriam ocorrido quando ele era presidente da Agência Municipal de Turismo, Eventos e Lazer (Agetul).

Após a operação do MP, aliados próximos do prefeito afirmaram ao Folha Z que a confiança de Iris Rezende na família Peixoto está abalada.

Vereador Welligton Peixoto (MDB) | Foto: Reprodução
Vereador Welligton Peixoto (MDB) | Foto: Reprodução

R$ 42 mil

Segundo a investigação, pessoas ligadas a uma clínica de fachada que recebia indevidamente o dinheiro do Imas, doaram R$ 42 mil para a campanha do filho de Sebastião, Wellington Peixoto, que foi reeleito para a Câmara Municipal em 2016.

O vereador não é alvo da investigação.

Líder do governador Ronaldo Caiado (DEM) na Assembleia Legislativa, deputado Bruno Peixoto (MDB) | Foto: Reprodução
Líder do governador Ronaldo Caiado (DEM) na Assembleia Legislativa, deputado Bruno Peixoto (MDB) | Foto: Reprodução

Liderança de Bruno 

Líder do governador Ronaldo Caiado (DEM) na Assembleia Legislativa, o deputado Bruno Peixoto (MDB) também tende a ser afetado pela prisão do pai.

Apesar de não ter sido implicado na Operação Fatura Final, o nome de Bruno já começou a ser questionado por aliados do governo.

Teria ele a confiança do governador, eleito com forte discurso anti-corrupção?

Cenas para o próximo capítulo da política goianiense.

Max Menezes recusa convite do prefeito Mendanha


Acompanhe tudo que acontece em Goiânia seguindo o Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook

Comentários do Facebook