Vereador dá soco em colega no Plenário da Câmara Municipal de Goiânia

Vereador Felisberto Tavares (PR) disse que o vereador Paulo Magalhães (PSD) o agrediu durante vitação de matéria no plenário da Câmara Municipal| Foto: Divulgação
Vereador Felisberto Tavares (PR) disse que o vereador Paulo Magalhães (PSD) o agrediu durante votação de matéria no plenário da Câmara Municipal| Foto: Divulgação

O vereador Felisberto Tavares (PR) acusa o vereador Paulo Magalhães (PSD) de ter desferido um soco em seu rosto na manhã desta quarta-feira, 30, no Plenário da Câmara Municipal de Goiânia. A assessoria de imprensa da Casa confirmou o caso.

Em discussão estava a matéria do pessedista de projeto de Emenda à Lei Orgânica do Município que reduz o período de recesso parlamentar da Câmara.

Em uma discussão de cunho pessoal, Paulo ficou irritado e disse que daria um soco em Felisberto caso ele não se calasse. Felisberto respondeu que não se calaria. Foi então que seu deu a agressão.

publicidade

Imediatamente o presidente da Câmara, Anselmo Pereira (PSDB), proibiu que todos os assessores entrassem no Plenário. A vítima afirmou que irá, ainda nesta quarta, solicitar as imagens do caso, que será levado à Polícia Civil (PC) e ao Conselho de Ética da Câmara.

LEIA MAIS: Promotor aciona Estado por trabalho análogo à escravidão na PMGO

“Fui agredido no queixo, vou sair daqui e fazer um exame de corpo de delito imediatamente. Quero a gravação e ao final da sessão, vou também acionar o conselho de ética”, disse em uma questão de ordem.

Na sua fala, Paulo Magalhães se defendeu dizendo que teria sido provocado por Felisberto Tavares e que não tem “sangue de barata”.

“O cidadão vem me provocar, eu não tenho sangue de barata, ninguém pisa em cima de mim. Eu estava na minha mesa e ele veio aqui me chamar de oportunista, de malandro. Quem me colocou aqui foi o povo e tenho que ser respeitado. Não estou acostumado a aguentar calado. Nunca desrespeitei ninguém, mas se vier na minha mesa, estou pronto e não tenho medo. Em defesa do povo, perco meu mandato, não tenho medo de ser preso”, explicou.

Recesso parlamentar

Vereador Paulo Magalhães (PSD) é o autor do projeto que reduz o recesso dos parlamentares| Foto: Divulgação/Câmara dos Vereadores
Vereador Paulo Magalhães (PSD) é o autor do projeto que reduz o recesso dos parlamentares| Foto: Divulgação/Câmara dos Vereadores

O projeto que modifica o artigo 76 da LOM- Lei Orgânica do Município, ainda tem que passar por mais uma votação em Plenário para se tornar Lei.

Depois de muita polêmica, em sessão bastante tumultuada, os vereadores aprovaram hoje em primeira votação o projeto do vereador Paulo Magalhães (PSD) que propõe redução do período de recesso parlamentar da Câmara.

A matéria aprovada hoje, foi a proposta original de Magalhães, que reduz o recesso pela metade (46 dias) sendo de 1º de Fevereiro a 15 de Julho e de 1º de Agosto a 31 de Dezembro. Magalhães havia proposto uma emenda substitutiva, passando para 22 de Dezembro o último dia de sessões, para não atrapalhar as comemorações de final de ano.

A emenda foi rejeitada hoje em Plenário. Também foi rejeitada proposta do vereador Geovani Antonio (PSDB) que estabelecia recesso de 55 dias, como acontece no Congresso Nacional.

Acompanhe o Folha Z no Facebook, Instagram e Twitter