Aumenta chantagem do Congresso em troca de apoio a Temer

Deve aumentar a chantagem na relação de Temer com o Congresso Nacional | Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Deve aumentar a chantagem na relação de Temer com o Congresso Nacional | Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Michel Temer virou sinônimo de encruzilhada

O presidente Michel Temer (PMDB) protagoniza o momento da encruzilhada política. Ou enfrenta o tsunami provocado pelas delações dos diretores da Odebrecht ou será apeado do poder antes do que imagina. Interlocutores do Palácio do Planalto se mostram abismados com a riqueza de detalhes dos depoimentos, as provas materiais e a abrangência das revelações. Nem mesmo a frieza dos ministros Eliseu Padilha e Moreira Franco, dois dos principais pilares do presidente, está resistindo ao bombardeio. A queda do advogado José Yunes, assessor especial e amigo particular de Michel Temer, provocou um clima de velório nos gabinetes da Presidência da República.

Chantagem e oportunismo

Diante da fragilidade governista, a avaliação dos assessores é de que deve aumentar a chantagem na relação com o Congresso Nacional, ou seja, parlamentares cobrando alto para não apoiar a tese de novo afastamento do Chefe do Executivo. Lideranças de PSDB e DEM já sinalizam distância regulamentar ou mesmo “reação para a plateia”, como a proposta de realização de eleições gerais apresentada ontem pelo senador Ronaldo Caiado. Lembrando que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso já definiu o Governo Temer como uma pinguela. Com aliados desta natureza, o presidente será obrigado a tirar “coelho da cartola” para não sucumbir.

Ruf Medicina 300 x 250

LEIA MAIS: EXCLUSIVO: Juiz alega incompetência e processo da Operação Decantação vai ao STF

Família chamada barraco

A família Camargo tomou gosto pelo barraco. Dia sim, outro também, os irmãos Zezé e Luciano se envolvem em polêmicas com familiares e fãs nas redes sociais. As três mulheres do filho mais velho do casal Francisco/Helena dominam os debates: Zilu (ex), Graciele (namorada) e Wanessa (filha). É baixaria pra todo lado, com direito a troca de acusações sobre insultos e agressões físicas. Ninguém está falando com ninguém, segundo os colunistas sociais, entretanto não é difícil apostar que todos comemorem, juntos, as festas de final de ano com o devido registro das revistas de fofocas. Apesar da carreira da dupla estar em baixa, o show não pode parar!

LEIA MAIS: Cantor diz que “cobras fêmeas e cobra macho” causam brigas na família

Mulheres em ação

Mesmo com muitas letras de gosto duvidoso, a música sertaneja (ou sertanejo universitário) segue dominando as paradas de sucesso. Das 10 canções mais tocadas em 2016, quatro representam o ritmo das multidões: “Infiel” com Marília Mendonça em primeiro; “10%” com Maiara & Maraisa em terceiro; “50 reais” com Naiara Azevedo em oitavo; e “Sosseguei” com Jorge & Mateus em décimo. E pouco adianta torcer o nariz, afinal o gênero sertanejo se reinventa com mais facilidade. O momento pertence às vozes femininas.

Acompanhe o Folha Z no Facebook, Instagram e Twitter