Ciclovias: Iris e a bicicleta, um caminho sem volta

Jogo Limpo com Rodrigo Czepak

Ciclovias serão herança de Paulo Garcia a Iris Rezende | Fotos: Humberto Silva e Folha Z
Ciclovias serão herança de Paulo Garcia a Iris Rezende | Fotos: Humberto Silva e Folha Z

Iris e a bicicleta, um caminho sem volta

Se em 2005 o então prefeito Iris Rezende agradeceu a oportunidade de dar sequência à implantação dos Centros Municipais de Educação Infantil (Cmeis), modelo herdado do antecessor Pedro Wilson, chegou a vez do peemedebista abraçar e ampliar o projeto cicloviário de Goiânia. Sem choro nem vela, independente das flagrantes rusgas políticas com o atual prefeito Paulo Garcia. Enquanto o petista optou pela visibilidade de avenidas como T-63, Universitária e T-7, Iris tem o desafio de viabilizar a ciclovia que sai do Campus II da UFG até o centro da capital.

Prioridade aos carentes

Ruf Medicina 300 x 250

Políticos próximos ao prefeito eleito também discutem prioridade na consolidação de duas ciclovias fundamentais para atender o trabalhador das regiões noroeste (até o Terminal Padre Pelágio) e sudoeste (saindo do Terminal Cruzeiro do Sul, divisa com Aparecida de Goiânia). Iris Rezende mantém forte vínculo com os moradores das duas áreas, fiéis eleitores do peemedebista há décadas. Como de praxe, o prefeito eleito irá resgatar o discurso de atendimento aos menos favorecidos criando alternativas de mobilidade urbana em sintonia com melhorias no transporte coletivo.

LEIA MAIS: Conheça os possíveis secretários de Iris Rezende na Prefeitura de Goiânia

Modelo compartilhado

Enquanto isso, o prefeito Paulo Garcia apresentou hoje o modelo de bicicleta pública compartilhada que estará disponível para aluguel em 15 estações espalhadas por Goiânia. O projeto terá início em dezembro e segue o mesmo padrão implantado em outras capitais. Mesmo cabisbaixo por ainda não ter conseguido falar com o ex-ídolo Iris Rezende desde o término da eleição, Paulo Garcia disse acreditar que o poder público continuará incentivando outros programas desta natureza. “É uma realidade em todo país”, pontuou.

Chocólatras irados

A repercussão da disputa entre Hillary Clinton e Donald Trump pela presidência dos Estados Unidos ganhou um forte concorrente nas redes sociais: reação contrária à mudança no formato do chocolate Toblerone na Inglaterra. Estava pronto para soltar uma gargalhada quando imaginei algo semelhante acontecendo com o Chokito. Seria o primeiro a protestar contra qualquer alteração na minha sobremesa favorita, a tradicional barra de chocolate coberta de caramelo com flocos crocantes.

Acompanhe o Folha Z no Facebook, Instagram e Twitter