Lula vs Moro na gaiola das vaidades

Jogo Limpo com Rodrigo Czepak

Lula vs Moro na gaiola das vaidades | Foto: Reprodução
Lula vs Moro na gaiola das vaidades | Foto: Reprodução

Um reles gabinete em Curitiba será palco nesta quarta-feira do primeiro “debate” com vistas à eleição presidencial de 2018. Não há exagero em quem compara o interrogatório do ex-presidente e pré-candidato Lula ao juiz Sérgio Moro como o principal fato político do semestre. Culpa da extrema vaidade dos protagonistas, cada qual mais estrela do que outro. As últimas horas foram marcadas por uma guerra sobre as regras necessárias para o encontro. Celular, cinegrafista, gravação, torcida organizada, enfim, tudo aquilo que cerca um grande espetáculo. Lula e Moro tanto sonharam que o dia finalmente chegou. Resta saber quem vai rir por último.

Humildade em campo

Uma cena no segundo tempo de Goiás 1 x 0 Vila  Nova, jogo que garantiu o tricampeonato ao clube esmeraldino, resumiu o clima que deveria prevalecer nos gramados. O atacante Moisés amarrou, com a maior naturalidade, o cadarço da chuteira do goleiro Marcelo Rangel. Isso poucos minutos após um sério  desentendimento entre os jogadores no intervalo. Prova de que rivalidade pode, sim, combinar com cordialidade. Adversários   sempre, inimigos jamais!

Unifan Bolsas de até 70% – 300×250

LEIA MAIS: O misterioso caso dos carros incendiados em Jataí. Foram 9 em dois dias

Serviço de alto risco

Não são poucos os motoristas do aplicativo Uber que estão optando por não trabalhar à noite. Ou por vontade própria ou por pressão dos familiares, assustados com a onda de assaltos e confrontos entre facções criminosas. “Os bandidos estão se aproveitando da comodidade e da discrição do serviço. No último sábado perdi quase R$ 300,00 por causa de um cartão clonado. Pelo menos não sofri agressão”. Desabafo do motorista R.S.O, de 38 anos. Ele tem um filho recém nascido e disse que “deseja continuar vivo para vê-lo crescer”.

Nada muda no transporte

O Ministério Público de Goiás já atrapalhou o faturamento das empresas do transporte coletivo da Grande Goiânia em quase um mês. Com uma medida simples: exigindo melhorias no sistema antes do reajuste da tarifa para 4 reais. Sem qualquer possibilidade de avanço, o jeito foi apelar para a velha reivindicação salarial dos motoristas. É sempre assim. Contra o usuário não faltam motivos para encarecer a passagem.

Acompanhe o Folha Z no Facebook, Instagram e Twitter