Major Araújo diz que pode desistir de ser vice-prefeito

Jogo Limpo com Rodrigo Czepak

Deputado estadual Major Araújo (PRP)
Deputado estadual Major Araújo (PRP)

Major Araújo, o rebelde sem freio e sem causa

Vice-prefeito eleito de Goiânia, o deputado estadual Major Araújo (PRP) não gostou de ser chamado de “menino-maluquinho” da coligação que promoveu a volta de Iris Rezende (PMDB) ao poder na capital. Colecionou polêmicas ao longo do pleito e agora reafirma fama de afoito e desarticulado ao mandar reiterados recados de que não vai aceitar papel decorativo na gestão municipal. À coluna Giro de “O Popular”, escrita por Caio Henrique Salgado, admitiu a possibilidade de abrir mão do cargo e permanecer na Assembleia Legislativa.

Discrição de outros vices

Unifan Bolsas de até 70% – 300×250

Com esse tipo de comportamento, Major Araújo demonstra completo desconhecimento sobre o perfil do seu companheiro de chapa na eleição e o papel desempenhado pelos antigos vices de Iris Rezende. Onofre Quinan, Maguito Vilela, Valdivino de Oliveira e Paulo Garcia assumiram a discrição na forma de atuar e aguardaram, pacientemente, os planos do “chefe” para eles. Os dois primeiros assumiram o Governo e o último a Prefeitura. Apenas Valdivino foi preterido por incompatibilidade de gênios e discordâncias administrativas.

LEIA MAIS: Entenda por que 200 motociclistas entraram na contramão no Setor Bueno

Alertas frequentes

Major Araújo é o primeiro vice que tenta colocar Iris Rezende contra a parede antes mesmo da posse. E o pior: utilizando entrevistas em rádios e jornais para demarcar território na Prefeitura de Goiânia. O “menino-maluquinho” da campanha ainda não saiu do corpo do deputado, mesmo recebendo recomendações frequentes de interlocutores políticos para diminuir o ímpeto na cobrança por espaço de relevância na administração. Major Araújo tem demonstrado trabalho e valor na trincheira da oposição ao Governo Marconi Perillo, mas ainda engatinha na vida pública. Prudência e caldo de galinha são essenciais no pós-campanha.

Cantor irá se casar com Maria Fernanda Pascucci, ex-presidente de um fã-club dedicado a ele | Foto: Reprodução
Cantor irá se casar com Maria Fernanda Pascucci, ex-presidente de um fã-club dedicado a ele | Foto: Reprodução

“Exagerado, jogado a seus pés…”

Não poderia deixar de registrar o sétimo casamento do cantor Fábio Júnior, 63 anos, desta vez com a bancária Maria Fernanda Pascucci, 37 anos, presidente do seu fã clube. Ele se derrete em elogios à companheira com quem convive há quatro anos: “Especial, incrível, sensível, sincera e extrovertida. Acredito numa união para sempre”.

Nem mesmo a idade, os cinco filhos e as pensões para algumas ex-esposas fazem Fábio Júnior diminuir o ímpeto. O cantor é um otimista por natureza, ninguém duvida, todavia o exagero nos adjetivos pode transformar qualquer decepção em rompimento definitivo. O pai dos famosos Fiuk e Cléo Pires nasceu com o dom da persistência e da fobia por bolos de casamento.

Acompanhe o Folha Z no Facebook, Instagram e Twitter