Marcos Harter: Nem médico nem monstro. Um charlatão sincero

Jogo Limpo com Rodrigo Czepak

Marcos Harter participou da edição de 2017 do BBB | Foto: Reprodução/TV Globo
Marcos Harter participou da edição de 2017 do BBB | Foto: Reprodução/TV Globo

Muita gente se pergunta como o militante endividado é capaz de participar de caixinha na internet para contribuir com o político que roubou milhões dos cofres públicos. Além desta categoria de otários, existe o grupo de fãs de ex-BBB que não mede esforços para chegar perto do seu ídolo. Até mesmo pagar R$ 1,2 mil por uma consulta de 40 minutos sem o menor interesse em realizar cirurgia. Tudo isso para encontrar em São Paulo o cirurgião plástico Marcos Harter, ex-participante da edição 2017. Tamanha bizarrice conseguiu a proeza de arrancar uma frase sincera do charlatão: “Eu não pagaria”.

A maratona de atendimentos terminou nesta sexta-feira e foi realizada no bairro Paraíso, nome apropriado para quem ouviu outra confissão do médico: “Sinto-me culpado por ter pouco tempo para as fãs no consultório”. O remorso não impediu que o valor da consulta saltasse de R$ 600,00 para R$ 1,2 mil em poucos dias. Tentando vender humildade em sua conta no Instagram, Marcos pediu para que as pessoas não gastassem tanto por um abraço, por um beijo seu”. Oh dó! Para quem ainda não sabe, o cirurgião já programou percorrer o país com suas “consultas”.

LEIA MAIS: Durante poda, árvore cai sobre carro que trafegava pelo Jardim América

Unifan Bolsas de até 70% – 300×250

E quais são os atributos do gaúcho Marcos Harter para causar esse frisson todo? Uma espécie de galã, quarentão e ter dividido o papel de mocinho e vilão no mesmo reality. Formou casal apaixonado com Emilly, a vencedora do BBB17, e hoje sequer menciona o nome dela. O romance terminou na reta final do programa. Ele foi expulso da casa depois de ser acusado de agressão, física e psicológica, contra Emilly.

As fãs não estão nem aí. Algumas admitem o desejo de levar uns bons tapas do médico sedutor. Ausência de amor próprio dá nisso. Paga-se pela consulta com interesse de algo mais e a recompensa é ouvir ironia do beneficiado. Nesse caso, deixa pra lá. Uma das maiores dificuldades do ser humano é diferenciar verdade de ironia. Melhor continuar acreditando nas boas intenções do gaúcho que orienta a não  gastar muito dinheiro com ele, mas que não se omite diante do desejo do seu público em abraçá-lo. O coração do médico é do tamanho de um cofre.

Acompanhe o Folha Z no Facebook, Instagram e Twitter