Única novidade em 2016 tem cinco letras: TRUMP

Jogo Limpo com Rodrigo Czepak

Única novidade em 2016 tem cinco letras: TRUMP | Foto: Reprodução
Única novidade em 2016 tem cinco letras: TRUMP | Foto: Reprodução

Única novidade em 2016 tem cinco letras: TRUMP

Mortes, tragédias, atentados, escândalos, crise financeira, nada disso fez de 2016 um ano diferente dos demais. As pessoas têm o hábito de potencializar notícias ruins, mas cada país carrega o seu arsenal de altos e baixos. E convenhamos: o momento é de inferno astral para o Brasil – política e financeiramente – mas nada que não possa ser minimizado com o tempo. Questão muito mais complexa, para o futuro da humanidade, atende pelo nome de Donald Trump – presidente eleito dos Estados Unidos da América.

LEIA MAIS: Setor Sul, Coimbra e Jd América têm índices alarmantes de dengue

Emancipação Aparecida 300×250

O potencial destrutivo do futuro inquilino da Casa Branca tira o sono dos demais líderes espalhados pelo mundo. E não adianta relativizar com a justificativa de que qualquer presidente americano é obrigado a cumprir roteiro pré-determinado. Trump pensa e vai agir diferente, afinal sua sobrevivência política depende da distância que mantiver do modelo democrata de Barack Obama. O “pato Donald” de cabelo laranja representa o estágio mais elevado do radicalismo e da arrogância pessoal. Do tipo que combate fogo com palitos de fósforo.

Nem mesmo as orações do Papa Francisco são suficientes para nos  proteger do que está por vir. A propósito: alguém aí consegue imaginar uma convivência harmônica entre o governo americano e o Vaticano, como ocorreu na reaproximação com Cuba? Trump e Francisco trocando telefonemas para diminuir tensões diplomáticas entre países? Nem pensar. O milionário adora dizer que tem lado, não se omite por nada e vai comprar briga por seus aliados.

Os conflitos internos serão o primeiro teste de resistência para Donald Trump. O restante do mundo estará de olhos abertos para saber se o topete do presidente eleito foi aparado desde o resultado da eleição que dividiu os Estados Unidos. Para o bem da humanidade, é bom que Trump adote, mesmo temporariamente, a receita “prudência e caldo de galinha”. Caso contrário haverá motivos de sobra para ter saudade do conturbado ano de 2016.

Feliz Ano Novo!

Um breve recesso para recarregar as energias. A coluna diária estará de volta a partir de 10 de janeiro ou em qualquer excepcionalidade. Um 2017 com muita saúde, paz e prosperidade a todos os leitores!

Acompanhe o Folha Z no Facebook, Instagram e Twitter