Trapalhadas no frágil concurso para delegado

Jogo Limpo com Rodrigo Czepak

Concurso para delegado foi marcado por fraudes | Foto: Divulgação/PC
Concurso para delegado foi marcado por fraudes | Foto: Divulgação/PC

Polícia Civil e Secretaria de Planejamento anunciaram a suspensão temporária do concurso para delegado substituto em Goiás, mas o ideal seria a anulação imediata do processo. Não restou um pingo de credibilidade para oferecer aos 14 mil participantes que iniciaram as provas no segundo semestre de 2016. A cara-de-pau dos envolvidos se resume ao “currículo” do médico Antônio Carlos da Silva, ex-assessor do deputado federal Jovair Arantes, já condenado por outros crimes como a prática de aborto e tráfico de animais silvestres. Ele está recorrendo das decisões. O único que ainda não confessou participação na fraude foi o ex-vereador da cidade de Palmeiras de Goiás, Magno Marra Mendes.

Ponto de interrogação

As investigações da Polícia Civil continuam, entretanto o modus operandi da quadrilha pode ser comparado aos antigos episódios do programa humorístico “Os Trapalhões”. Nem a quantia individual combinada pela fraude – cerca de R$ 400 mil – foi capaz de encobrir rastros tão evidentes como notas acima da capacidade dos candidatos (8,8 a 9,5) e vínculos familiares. Sinceramente: a confiança no sucesso da prática delituosa, mesmo diante de uma engenharia tão frágil, coloca um tremendo ponto de interrogação em concursos semelhantes realizados nos últimos anos. Não se trata de generalizar os acontecimentos, jogando lama no ventilador, porém é flagrante a vulnerabilidade dos processos seletivos no país.

Unifan Bolsas de até 70% – 300×250

LEIA MAIS: CONFIRMADO: fuga em massa em presídio de Aparecida

Mácula só aumenta

Os responsáveis pelo Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção de Promoção de Eventos (Cebraspe), organizador das provas para seleção de novos delegados substitutos, seguem sendo investigados pela polícia. Todos os envolvidos na fraude serão identificados e denunciados ao poder judiciário, entretanto a mácula sobre os concursos públicos só aumenta, infelizmente. Muitos candidatos já cobram a imediata devolução do dinheiro gasto com a taxa de inscrição, mas a grande maioria sonha apenas em participar de um processo seletivo sério e transparente, que valorize a dedicação aos estudos e a busca por uma carreira estável.

Acompanhe o Folha Z no Facebook, Instagram e Twitter