Jornalista Matheus Ribeiro e radialista Luiz Gama | Foto: Reprodução
Jornalista Matheus Ribeiro e radialista Luiz Gama | Foto: Reprodução

Matheus Ribeiro vai processar o radialista Luiz Gama por comentários homofóbicos feitos na internet.

De acordo com a “Folha de S. Paulo”, a advogada do jornalista, Maria Thereza Alencastro, relatou que medidas civis e criminais serão tomadas.

O pedido deve incluir indenização por danos morais e crime de injúria racial (ao qual a homofobia foi equiparada pelo STF).

“Não é para se proteger, já que a ele estes comentários não prejudicam, mas para proteger todos que não têm voz como ele. Homofóbicos precisam de resposta à altura”, afirmou a advogada à reportagem.

O caso

Luiz Gama foi ao Twitter na última quarta, 13, para manifestar apoio à Medida Provisória 905 do presidente Jair Bolsonaro, que, entre outros efeitos, extingue o registro profissional de jornalistas.

Nos comentários, Gama escreveu que o registro de fato não era necessário, já que há jornalistas que ganham notoriedade por causa da cor da sua pele e da sua sexualidade.

“Jair Bolsonaro está corretíssimo ao acabar com o registro na DRT e por acabar com a exigência de diploma para jornalistas. Afinal, tem uma fraquíssima em rede nacional só por causa da cor da pele e outro comunzão fazendo fama só porque avisou que queima a rosca”, escreveu.

Onde o Brasil vai parar? Queimar a rosca agora é moda. Um apresentador de telejornal de qualidade média virou a bola da vez no jornalismo nacional só porque revelou que sua rosquinha está à disposição“, ‘queixou-se’ no Twitter o radialista.

Após a repercussão negativa, o radialista apagou as mensagens e reclamou ser “vítima de gayzismo militante”:

“Gente! Vamos parar com essa palhaçada que a esquerdalha está tentando armar contra mim. Qualquer um que me conhece o mínimo, sabe de sobra que eu não sou, nunca fui e nunca serei homofóbico ou racista. Não aceito de forma alguma ser vítima do gayzismo militante. Basta!”

Por fim, Luiz Gama concluiu:

Como pai legítimo de um filho negro, que foi educado e preparado p/ enfrentar qualquer tipo de racismo. Como irmão e tio de homossexuais, os quais vivem em nossa família em completo amor e respeito, não aceito e rechaço toda qualquer insinuação de que seja racista ou homofóbico.

OPINIÃO: “Imprensa só aprova homenagem quando o foco são os jornalistas”


Acompanhe a Folha Z no Instagram (@folhaz), no Facebook (jornalfolhaz) e no Twitter (@folhaz)

Comentários do Facebook